O equipamento BD Phoenix™ destina-se à identificação (ID) rápida de bactérias clinicamente significantes e à realização de testes de sensibilidade a antimicrobianos (AST ou TSA) para essas bactérias. O sistema fornece resultados rápidos sobre a maioria das bactérias aeróbias e anaeróbias facultativas, Gram-positivas e Gram-negativas que infectam humanos.

O painel para o sistema BD Phoenix™ consiste em um lado ID, com 51 cavidades, e um lado AST, com 85 cavidades. O lado ID contém 45 cavidades contendo substratos bioquímicos desidratados e 2 cavidades para controle de fluorescência. O lado TSA contém potencialmente até 84 cavidades com agentes antimicrobianos desidratados e uma cavidade para controle de crescimento. O sistema utiliza um indicador de redox colorimétrico otimizado para AST e diversos indicadores colorimétricos e fluorométricos para ID. Os painéis estão disponíveis como ID somente, AST somente ou uma combinação de ID/AST(painel combo).

Muitos dos testes presentes nos painéis com identificação são modificações de métodos clássicos: testes de fermentação, oxidação, degradação e hidrólise de vários substratos. O sistema BD Phoenix™ utiliza substratos cromogênicos e fluorogênicos, bem como substratos que são fontes única de carbono, para a identificação de organismos.

O TSA do BD Phoenix™ consiste em uma versão miniaturizada e modificada da técnica de diluição seriada em caldo. O teste de sensibilidade do sistema determina o crescimento bacteriano na presença de diferentes concentrações do agente antimicrobiano nas cavidades dos painéis, que são continuamente incubados e lidos, além de utilizar o indicador de TSA para verificação da presença de metabolismo microbiano no meio.

Identificação bacteriana

A porção ID do painel do sistema BD Phoenix™ utiliza diversos testes bioquímicos convencionais, cromogênicos e fluorogênicos para identificar o organismo. Utilizam-se tanto substratos baseados no crescimento bacteriano quanto substratos enzimáticos para englobar os diferentes tipos de reatividade dentro da faixa de variação taxonômica.

Os testes baseiam-se na utilização e degradação de substratos específicos pelos organismos, detectadas por diversos sistemas indicadores. Por exemplo, quando um isolado consegue utilizar um substrato de carboidrato, a produção de ácido é detectada por uma alteração no indicador de vermelho fenol.

Os substratos cromogênicos produzem uma cor amarela em caso de hidrólise enzimática de compostos de P-nitrofenil ou P-nitroanilida. A hidrólise enzimática de substratos fluorogênicos libera um derivado fluorescente da cumarina. Organismos que utilizam uma determinada fonte de carbono reduzem o indicador baseado em resazurina. Além desses, existem outros testes que detectam a capacidade de um organismo de hidrolisar, degradar, reduzir ou utilizar um substrato.

Teste de sensibilidade a antimicrobianos

O método de TSA do BD Phoenix™ consiste em um teste de microdiluição em caldo. O sistema utiliza um indicador de redox para detectar o metabolismo bacteriano no meio contendo agente antimicrobiano. Para determinar o crescimento bacteriano, utilizam-se medições contínuas das mudanças ocorridas no indicador, assim como a turbidez do meio.

A configuração de cada painel para TSA contém diversos agentes antimicrobianos com uma ampla faixa de diluição seriadas (mínimo de 3 diluições). A identificação do organismo é utilizada para interpretar os valores da concentração inibitória mínima (MIC) de cada agente antimicrobiano. Pelo fato de utilizar diluições seriadas, o sistema BD Phoenix™, através da análise do software BDXpert, fornece ao usuário MICs verdadeiros (não calculados ou estimados), proporcionando maior acuracidade no tratamento antimicrobiano adotado pelo médico e combatendo o aumento de casos de resistência bacteriana.

TSA no sistema Phoenix - detecção de mecanismos e marcadores de resistência

Os TSAs do sistema Phoenix detectam diversos mecanismos e marcadores de resistência de organismos Gram- negativos e Gram-positivos. Os marcadores de resistência, associados a alarmes configurados no sistema, indicam resultados críticos que são informados imediatamente ao usuário.

  • ESBL: Extended Spectrum Beta-Lactamase (Beta-lactamase de espectro ampliado - com teste confirmartório)
    Staphylococcus produtor de Beta-lactamase
  • MRSA: Methicilin (Oxacillin) Resistant Staphylococcus aureus (Staphylococcus aureus resistente à meticilina (oxacilina)
  • VRE: Vancomycin Resistant Enterococci (Enterococcus resistente à vancomicina)
  • HLAR: High Level Aminoglycoside Resistance (altos níveis de resistência a aminoglicosídeos) – Gentamicina: HLGR; Estreptomicina: HLSR; Kanamicina – HLKR
  • Altos níveis de resistência a macrolídeos em estreptococos (Efflux/MLSb)

O sistema BD Phoenix™ ainda é capaz de detectar mecanismos tardios de resistência.